10.12.10

O Resultado do PISA e a constatação da calamidade da Educação no Brasil

O Resultado do PISA e a constatação da calamidade da Educação no Brasil




‘’NO FUTEBOL, O BRASIL FICOU ENTRE OS 8 MELHORES DO MUNDO E TODOS ESTÃO TRISTES. NA EDUCAÇÃO É O 85º E NINGUÉM RECLAMA..."

(Sen. Cristovam Buarque)



Não haveria como iniciar este texto sem ser com a célebre frase do Senador Cristovam Buarque, sobretudo porque pretendo debater exatamente este ‘avanço’ que se registra na nossa ridícula classificação no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) No último resultado anunciado pelo referido exame, o Brasil foi o 53º colocado no ranking de ciências do referido exame, divulgado na terça-feira (7). Realizado pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), avaliou em 2009 o conhecimento de cerca de 470 mil estudantes em leitura, ciências e matemática de 65 países. Em ciências, são examinados o conhecimento adquirido e a capacidade de usar esse conhecimento efetivamente. Assim como em matemática, os níveis de proficiências avaliados podem ir de 1 a 6.

Este trabalho apresentou os resultados colocados na tabela abaixo. Por razões óbvias, não coloquei integralmente a tabela, pulei do 10º para o Brasil que ficou na 53ª posição. Posição próxima de países, como: Trinidad e Tobago, Colômbia, Montenegro, Argentina, Tunísia e Cazaquistão. Quis o destino colocar a Argentina neste cenário(os mais desenganados vão comemorar). Dentre os países latino-americanos, Chile (44º), Uruguai (48º) e México (50º) tiveram melhor desempenho que o Brasil. Colômbia (54º), Argentina (55º), Panamá (62º) e Peru (64º) tiveram resultados piores.



A tabela



















O que é e como funciona.



O Pisa busca medir o conhecimento e a habilidade em leitura, matemática e ciências de estudantes com 15 anos de idade tanto de países membro da OCDE quanto de países parceiros. Essa é a quarta edição do exame, que é corrigido pela TRI (Teoria de Resposta ao Item). O método é utilizado também na correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio): quanto mais distante o resultado ficar da média estipulada, melhor (ou pior) será a nota.

A avaliação já foi aplicada nos anos de 2000, 2003 e 2006. Os dados divulgados hoje foram baseados em avaliações feitas em 2009, com 470 mil estudantes de 65 países. A cada ano é dada uma ênfase para uma disciplina: neste ano, foi à vez de leitura.

Um comentário:

  1. Andréa N.psicologia edc. 6ª noite12 de dezembro de 2010 02:30

    Por que será esta correção de fluxo e uma preocupação alarmante em fazer parcerias com Institutos e ONGs para que alunos até 15 anos estejam lendo e escrevendo, no Município do Rio de Janeiro? Será que sempre haverá algo político ou ligado a economia por trás destes programas? Ou a preocupação é realmente formar jovens autônomos capazes de modificarem suas realidades?

    ResponderExcluir