17.8.10

O que é a EJA

Educação de Jovens e Adultos
Trata-se de uma modalidade de ensino com uma especificidade muito acentuada, ao estudarmos Educação encontramos vários segmentos, grupos etários, classes sociais e etc. Pois bem, a EJA é um destes segmentos que transversalisa algumas destas características. A necessidade deste texto decorre do desejo em aprofundar algumas destas questões. A idéia é trazer regularmente novos textos que abordem a mesma temática e então constituir um material um pouco mais denso sobre assunto tão instigante. Agora vamos ao primeiro texto:
Ao falarmos da formulação desta modalidade de ensino estamos admitindo a existência de uma dívida histórica que o Brasil tem para com todos os cidadãos de 15 anos ou mais que não concluíram a educação básica, portanto, a intencionalidade aqui é acentuar a mudança do foco quanto a culpabilização deste problema, não se trata de afirmar que o educando não estudou, ao contrário, foi à sociedade e o estado que não ofereceram condições para que estas pessoas pudessem seguir o estudo de maneira regular. Criar condições para que este público possa ter esta oportunidade antes negada, é, portanto, o maior desafio da sociedade brasileira. Além de criar estrutura logística para superar esta característica de nossa sociedade, torna-se imperioso que os professores e professoras dos sistemas públicos, bem como das chamadas, iniciativas populares de ensino, saibam trabalhar com esse segmento populacional, ou melhor, com estes possíveis alunos e alunas, utilizando metodologias e práticas pedagógicas capazes de respeitar e valorizar suas especificidades. O olhar voltado para este(a) aluno(a) como um dos sujeitos de sua própria aprendizagem, que traz para o ambiente educacional um conhecimento vasto e diferenciado, contribui, efetivamente, para sua permanência neste ambiente de aprendizagem, agora oferecido com mais regularidade pelos sistemas públicos de ensino.
A esta perspectiva metodológica especifica, públicos diferenciados, realidades distintas, objetivos distintos, caminhos distintos, denomina-se Educação de Jovens e Adultos. Não é difícil compreender que se tratam de atores com especificidades diferenciadas, seja pela ausência do vinculo afetivo com a realidade escolar, ou simplesmente pela predominância, ao menos por enquanto, de uma faixa etária mais madura que já viveu a muito, a maturidade psíquica e biológica que os colocaria em um nível de desenvolvimento cognitivo comum para vincular-se à um processo pedagógico. Esta maturidade psíquica e biológica, mais a presença de jovens que romperam recentemente com o sistema tradicional de ensino, justificam a produção de um processo metodológico heterogêneo, esta é a razão principal da formulação desta categoria de ensino: a EJA. Alguns olhares cuidadosos demandam novos caminhos pedagógicos, aí destacam-se; a negação da infantilização do processo pedagógico, por ex: exercícios com motivações infantis devem ser substituídos por material didático adequado, relações idílicas estabelecidas por professores devem dar vez a relações mais maduras e diretas, neste momento esta prática pedagógica torna possível estabelecer metas junto aos próprios discentes, neste caso os(as) alunos(as) passam a fazer parte do planejamento, do estabelecimento dos prazos e de toda dinâmica do curso. Tanto quanto a prática pedagógica se faz necessário atender as peculiaridades logísticas que venham atender a faixa etária especifica. Demanda diferenciada na constituição de um espaço pedagógico adequado, por ex: iluminação, distância das carteiras escolares para o quadro, horário de inicio e termino da jornada diária, tamanho da letra do material didático oferecido... São algumas destas peculiaridades, que podem obstaculizar a efetivação deste processo pedagógico. Convém ressaltar, que estamos tratando exclusivamente de pessoas que, por conta destas e de outras dificuldades no processo pedagógico, já romperam com o sistema tradicional de ensino. Portanto, um novo rompimento, por parte destas pessoas, seria muito mais simples que no sistema tradicional de ensino.
Nos textos que se seguem vamos aprofundar um pouco mais o conhecimento a cerca deste tema.








14 comentários:

  1. A clientela que busca aos programas para Jovens e Adultos é constituída de pessoas que já tiveram passagem fracassada na escola regular, entre elas, muitos adolescentes e jovens recém-excluídos do "sistema". Esta situação ressalta o grande desafio pedagógico, em termos de seriedade e criatividade, que a educação de Jovens e Adultos impõem, garantindo a esse segmento social um acesso à cultura letrada e participação ativa no mundo do trabalho, da política e da cultura.É especialmente importante, no trabalho com Jovens e Adultos,construir um espaço para se aprender a discutir e participar democraticamente, desenvolver a responsabilidade pessoal pelo bem estar comum, ou seja, favorecer a autonomia estimulando-os na construção de cidadãos críticos.

    ResponderExcluir
  2. Na Educação de Jovens e Adultos, deve-se trabalhar com muito cuidado, para não "espantar os alunos", com temas atuais como: jornalismo, esportes, receitas em geral,etc.
    Já trabalhei no Brasil Alfabetizado e em minha turma de 26 alunos cadastrados, apenas 12 ficaram até o final; pois muitos alunos alegaram cansaço físico, doença, dificuldades para chegar até a escola, em trabalhar longe , que conseguiram emprego e o horário não é compatível, etc.
    Para segurar os permanentes tive que ter um alto grau de afetividade com cada um deles. Ex: quando faltavasm por mais de dois dias eu ia na casa saber qual era o problema, fiz sorteios de cestas básicas, festas de aniversários, dinâmicas, etc. E apenas dois prosseguiram os estudos e estão terminando o ensino fundamental, enquanto outros acharam que está bom apenas de ter sido alfabetizados.
    Muitos alunos alegaram que não estudaram na infância, porque tinham que trabalhar para ajudar no sustento da família, outros fugiam da escola para brincar e namorar, alguns não gostavam de estudar e outros não tiveram oportunidades na juventude.
    Esta semana fui em um CIEP para pedir estágio e me disseram: _ Acabamos de fechar o 1º segmento de EJA, pois começamos com 40 alunos e no final do curso permaneceram apenas 5 alunos.
    É uma triste realidade no Brasil, ainda ter milhares de pessoas analfabetas. O governo poderia investir mais na educação de nosso país.
    Cintia F.O. de Souza - UCB, 5ºp., Pedagogia

    ResponderExcluir
  3. Regina Célia P. M. Dias - UCB - 5º Período de Pedagogia31 de agosto de 2010 20:56

    É a educação de jovens e adultos, destinada a todos aqueles que não tiveram acesso ao ensino fundamental e médio em idade escolar própria e desejam dar continuidade aos seus estudos. Com finalidades e funções específicas que visa dar acesso a leitura e a escrita Ampliar as oportunidades educacionais para jovens e adultos, mediante a aplicação de metodologias adequadas às características dos alunos visando à participação plena nas decisões que afetam suas vidas em todos os sentidos.
    Ir à escola, para um jovem ou adulto, é antes de tudo, um desafio, um projeto de vida, e não se dá de forma simples, trata-se de uma decisão que envolve as famílias, os patrões, as condições de acesso e as distâncias entre casa e escola, as possibilidades de custear os estudos e, muitas vezes, trata-se de um processo contínuo de idas e vindas. Por isso deixar de oferecer oportunidades aos jovens e adultos é negar a eles uma das necessidades sociais básicas do ser humano.

    ResponderExcluir
  4. Percebo que o Eja é um cala a boca do governo, para esses jovens e adultos que por causa dele (governo) se viu obrigado ou desestimulado a abandonar os seus estudos para trabalhar e colocar alimento na mesa.
    Porém como educadora acredito no projeto, embora dependerá muito do docente com um planejamento pedagógico que se adéqüe a realidade desses discentes, trabalhando as diversidades, como um meio de se aproximar deles e vice - versa e assim estimular todo o processo de aprendizagem em todos.

    ResponderExcluir
  5. Quando falamos de EJA, logo pensamos em pessoas com muitas dificuldades de aprendizagem, mas nos esquecemos que esses alunos carregam consigo uma imensa bagagem de experiência de vida e que cada um tem a sua história. Para se trabalhar com essa modalidade de ensino, o educador tem que considerar as caracteristicas destes alunos, promovendo o aumento da auto-estima, o fortalecimento da confiança na capacidade de aprendizagem e da valorização na educação como meio de desenvolvimento pessoal e social. Envolvendo assim o aluno na construção do conhecimento democrático e participativo.
    Por Eliani Coelho Alves, 5º período, turma 12.

    ResponderExcluir
  6. Márccia Luzia disse O EJA torna-se para estas pessoas carentes e sonhadoras a possibilidade de uma reformulação de estímulos,novas descobertas,sair da submissão cultural.Podemos dizer que embora, os idealizadores deste projeto mereçam muitos méritos ainda precisamos continuar esta trajetória;apontando para um problema fundamental:A educação não é um instrumento neutro.Ela pode operar a vida

    ResponderExcluir
  7. Ione Pinheiro Vieira, 5º Período, Pedagogia UCB, Realengo, Turma 124 de setembro de 2010 16:12

    A EJA, ao meu ver, tem servido como instrumento de re-socialização e inclusão, desses sujeitos que antes viviam à margem e que agora tem a oportunidade de fazer parte de algo maior, que é o contexto escolar. O âmbito escolar é um espaço para que o outro tenha voz, que muitas vezes, em outro lugar não tem. Precisamos promover uma educação democrática na EJA, até mesmo porque os sujeitos, já tem a maturidade que as crianças ainda não adquiriram, por esse motivo a democratização pode ser facilitadora do aprendizagem dessa parcela de educando, trazendo à tona sonhos e ideais que foram há muito sufocados.Creio que ao trabalhar com a EJA, podemos apreender inúmeras experiências e realizar trocas de vivências que servirão para o crescimento pessoal e social, tanto do educador, quanto do educando.

    ResponderExcluir
  8. Micaela,UCB,5º Período de Pedagogia disse...
    A educação possibilita ao individuo jovem e adulto retomar seu potencial.A educação de adultos torna-se mais que um direito: é a chave para o século XXI; é tanto conseqüência do exercício da cidadania como condição para uma plena participação na sociedade.
    A educação de Jovens e Adultos representa uma possibilidade que pode contribuir para efetivar um caminho e desenvolvimento de todas as pessoas, de todas as idades. Planejar esse processo é uma grande responsabilidade social e educacional.

    ResponderExcluir
  9. Sergio Luiz Andrade Neves,UCB,5°Período de Pedagogia, turma 12 disse...
    Atualmente a educação se tornou o meio de alcançarmos os nossos objetivos e também acompanhar o desenvolvimento de nossa sociedade. O cidadão que por algum motivo está aquém do seu nível escolar possa por meio da EJA retomar os seus estudos , devemos promover esta modalidade que é de grande importância para aqueles que têm vivência mas deixou a parte acadêmica de lado.
    Muito se fala em alfabetização infantil mas não dá muita importância para a educação dos jovens e dos adultos que desitiram de concluir os estudos.

    ResponderExcluir
  10. Flavia Regina de Farias ( 5º período de Pedagogia Universidade Castelo Branco)
    A história da educação de jovens e adultos no Brasil, chega aos dias atuais,
    reclamando a condição de reformulações pedagógicas. O grande desafio se impõe em
    como garantir aos jovens e adultos o acesso à uma educação que lhe possibilite
    uma participação mais ativa no mundo do trabalho, da política e da cultura.Isso pode se constituir num passo, pequeno, mas necessário, para a busca de construção de ações coerentes com as especificidades do processo de educação de jovens e adultos, bem como da formação de seus profissionais e de seus principais beneficiários: os alunos.

    ResponderExcluir
  11. O professor de EJA tem uma responsabildade muito grande: fazer com que o conhecimento seja significativo para os alunos, respeitando seus conhecimentos prévios e sem descartá-los prévios. Este profissional precisa estar incubido da tarefa de ser criativo e despido de qualquer tipo de pré-conceito, pois para aquele que já desistiu uma vez, seria muito mais fácil fazê-lo outras vezes.
    Valdilene de Carle, 5 período de Pedagogia.

    ResponderExcluir
  12. Retornar as salas de aula torna-se um desafio digno de respeito a estes personagens sonhadores, que buscam resgatar o tempo perdido, cabendo assim aos orgão competentes uma injeção de recursos que permitam a flexibilização do ensino, os docentes no entanto se apresentam como se fossem jogadores de meio de campo em uma competição de vital importância, pois estamos falando de sonhos de uma legião de guerreiros.
    Floriano 5ºperiodo de pedagogia Realengo.

    ResponderExcluir
  13. Diante de todos os erros ocorridos ao longo da nossa história, no campo da educação. A nossa "dívida interna" com essas pessoas que procuram essa modalidade EJA é gritante, portanto é necessário um cuidado muito especial ao praticar as metodologias de ensino com essas pessoas. Elas devem ser encetivadas a cada dia a continuar estudando, aprendendo, conhecendo para que consigam alcançar no "futuro" seus objetivos como cidadão pleno e indepedente.

    ResponderExcluir
  14. Com a criação desta modalidade de ensino nos nossos dias,oportunizou o resgate da cidadania de jovens e adultos que romperam com a instituição ESCOLA. Cabe ao professor ter sensibilidade para propor atividades significativas para a inserção desta clientela tão desfavorecida.

    ResponderExcluir